Sobre

Poetas Homenageados

Sóter

 -

José Luiz do Nascimento Sóter nasceu em Catalão, Goiás, e reside em Brasília, Distrito Federal. Agrônomo e publicitário, se apresenta como poeta marginal da geração mimeógrafo de Brasília. Professor da rede pública, coordenador da Associação Brasileira de Radiodifusão. Lutador pela criação e implementação de rádios comunitárias por todo Brasil.  

Os textos de Sóter republicados em Renitência Lunar (Semim Edições) foram escritos em Brasília entre 1978 e 1998, “por isso retratam momentos vividos sob a tensão da censura e do totalitarismo obscurantista". Como lema da Oswaldiana “Amor com humor” e a Pessoana “Chega de heróis, quero gente” e como mote a poesia libertária de Mário Quintana. “Nas entrelinhas e nos entretantos as transições dessas duas décadas de transformações mundiais”, confessa o autor. Nosso emblemático da poesia brasiliense dos anos de rebeldia e contestação.  

 

 

“audiência (ao burocrata)”  

 

não tem chá mais ruim  

do que chá de cadeira  

o tempo não passa  

o ego se esvai  

a impotência se empodera  

o tempo não passa  

o ego se esvai  

a impotência se empodera.  

daí mais uma vez  

vem a água e o café  

e o chá de cadeira se estende  

começando tudo de novo  

o tempo não passa  

ânimo se esvai  

a impotência se empodera...  

 

 




O Salão Nacional de Poesia Psiu Poético celebra as diversas manifestações artísticas a partir da arte poética.